Palestra no HGG lembra Dia Mundial da Sepse

Top Clip Monitoramento & Informação

O Dia Mundial da Sepse, doença que mata mais de 200 mil brasileiros por ano, será lembrado com palestra e ação preventiva nesta terça-feira, dia 13, no Hospital Alberto Rassi – HGG. Antigamente conhecida como infecção generalizada, essa doença pode ser prevenida com lavagem das mãos e uso racional de antibióticos. A partir das 15 horas, os familiares e acompanhantes receberão panfletos e orientações na portaria, antes de entrarem para visitarem os pacientes nas enfermarias e Centro de Terapia Intensiva (CTI).Os profissionais que trabalham na unidade também receberão orientações sobre a doença. O coordenador do CTI, Durval Pedroso, vai ministrar uma palestra a partir das 19 horas, no Auditório do HGG, com o tema “Sepse, um problema de saúde pública”.De acordo com a gerente do Núcleo de Educação Continuada do HGG, Fabrícia Cândida, o Dia Mundial da Sepse é importante para conscientizar os colaboradores sobre a importância de seguir o protocolo correto da doença. “O HGG sempre investe no treinamento dos profissionais, para que os primeiros sinais da doença sejam reconhecidos rapidamente”.Além disso, os visitantes do HGG também receberão informativos que explicam o que é sepse, e como o familiar pode identificar. “É importante esclarecer os sintomas dessa doença, que são febre alta, aceleração do coração, respiração rápida, fraqueza, pressão baixa, diminuição da quantidade de urina, sonolência, confusão, entre outros. Hoje a sepse mata mais que infarto e câncer, e é preciso disseminar as informações tanto para os profissionais da saúde, quanto para a população”.A doençaOs dados do Instituto Latino Americano de Sepse mostram que a letalidade de pacientes provenientes do serviço de urgência em instituições públicas brasileiras é de 51,7%. As razões para essa letalidade elevada são múltiplas, entre elas: condições básicas de saúde da população inadequadas; dificuldade de acesso ao sistema de saúde; falta de infraestrutura na rede hospitalar, principalmente nos setores de urgência; número inadequado e despreparo de profissionais para atendimentoe desconhecimento entre profissionais de saúde.Mais informações: (62) 3209-9700
Fonte: Goiás Agora-GO
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *