Campanhas de saúde movimentam a cidade até o fim de semana

Projetos de conscientização contra a sepse e o gigantismo têm o objetivo de orientar a população contra doenças comuns, mas pouco conhecidas

Quem passar pela Rodoviária Novo Rio nesta quinta-feira, entre 7h e 14h, receberá um folheto explicativo intitulado “Pare a sepse, salve vidas”. É uma campanha para alertar a população sobre a infecção generalizada gerada por germes patogênicos, que atinge 400 mil pessoas anualmente no Brasil. Destas, morrem 220 mil. Os dados são da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), responsável pelo projeto junto com o Instituto Latino-Americano (Ilas). No programa estão informações sobre o que é o mal, quais os riscos e o diagnóstico. Médicos também responderão a dúvidas da população.

Dados de estudos epidemiológicos brasileiros, coordenados pelo Ilas, apontam que cerca de 17% dos leitos de UTIs no país são ocupados por pacientes de sepse grave. A taxa de mortalidade chega a alcançar 55% dos pacientes. Na última década, a incidência da doença aumentou entre 8% e 13% em relação à década passada. Entre os sintomas, calafrios, confusão ou delírio e diminuição na excreção de urina.

— É uma das doenças mais comuns e menos reconhecidas — alerta Flávia Machado, vice-presidente do Ilas.

Para Luciano Azevedo, médico intensivista membro da instituição, o envelhecimento populacional é uma das razões do crescimento.

— É um grande fator, aliado ao aumento das intervenções de alto risco e o desenvolvimento de agentes infecciosos mais virulentos e resistentes a antibióticos.

O Rio de Janeiro não será a única cidade a receber a mobilização. Em São Paulo, Salvador, Brasília e Porto Alegre a campanha também irá à população. Confira os locais no final da matéria.

Também na quinta-feira, o Instituto Espaço de Vida retorna ao Rio para alertar a população sobre a acromegalia, doença que tem como causa a produção excessiva de hormônio de crescimento na idade adulta. Durante a infância ou a adolescência, pode ser chamada de gigantismo. A campanha distribuirá materiais de alerta aos sinais e sintomas da doença e terá equipe para esclarecimentos na Central do Brasil, no Mercadão de Madureira e no Complexo do Alemão. O evento acontece das 11h às 16h.

— No início, as alterações são mais sutis e a pessoa pode nem perceber, mas vão se agravando se não tratadas — alerta Christine Battistini, fundadora da instituição.

Além das alterações no corpo, a acromegalia também causa suor excessivo, dor de cabeça, formigamentos nas mãos, dores nas articulações, cansaço excessivo, alterações na visão, disfunções sexuais, distúrbios menstruais, diabetes, roncos, pressão alta, apneia do sono e aumento da tireoide. O tratamento da acromegalia pode ser feito por meio de cirurgia ou de medicamentos.

No sábado, na Quinta da Boa Vista, próximo à saída do Largo da Cancela, estudantes e professores de diversas faculdades de biologia do Rio de Janeiro mostram, a partir das 10h, como é a rotina da profissão a jovens e adultos. No Bio na Rua, mais de 30 trabalhos produzidos nas academias serão demonstrados ao público. Entre os temas estão ecologia, biologia marinha, zoologia, botânica, genética, educação ambiental, sustentabilidade, reciclagem e consumo consciente. A estimativa é da visita de mais de mil pessoas.

— A ideia é esclarecer a população sobre a profissão do biólogo e sobre o que se produz em uma universidade pública, cientes da importância dos projetos de extensão para o estabelecimento do vínculo entre a produção universitária e a comunidade. Acreditamos que é um direito do cidadão saber onde parte do seu imposto é investido — alega Daniela de Carvalho, uma das organizadoras do evento.

Locais do “Pare a sepse, salve vidas”:
Rio de Janeiro:

    • Rodoviária Novo Rio – das 7h às 14h

São Paulo:

    • Terminal Rodoviário Tietê – das 7h às 14h
    • Shopping Metrô Tatuapé – de meio-dia às 18h

Salvador:

    • Terminal Rodoviário de Salvador – das 7h às 14h
    • Aeroporto Internacional de Salvador – das 8h30m às 15h30m

Brasília:

    • Rodoviária de Brasília – das 7h às 14h
    • Aeroporto Internacional de Brasília – das 7h às 14h

Porto Alegre:

    • Estação Rodoviária de Porto Alegre – das 7h às 14h
  • Terminal Parobé – das 7h às 14h
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *