Perguntas e Respostas

COVID-19 pode causar sepse?

A sepse é "uma disfunção orgânica ameaçadora à vida causada por uma resposta desregulada do hospedeiro à infecção". No caso da COVID-19, os efeitos no sistema respiratório são mais frequentes e conhecidos. Esses pacientes que necessitam de internação hospitalar frequentemente desenvolvem pneumonia de gravidade variável, mas praticamente todos os outros sistemas orgânicos podem ser afetados. A partir dos dados científicos recentemente disponíveis sobre COVID-19, já é possível afirmar que a COVID-19 realmente causa sepse. Sinais de lesões de múltiplos órgãos, que são típicas na sepse, ocorrem em aproximadamente 2-5% dos pacientes com COVID-19, após aproximadamente 8 a 10 dias. Muitos pacientes afetados pela COVID-19 morrerão de sepse e suas complicações. Portanto, é vital conhecer e reconhecer sinais precoces de sepse e iniciar o tratamento imediato quando diagnosticado. A intervenção de forma oportuna, salva a vida e a função orgânica.

COVID-19 pode ser tratada?

Tratamentos eficazes e seguros para COVID-19 estão sendo investigados por cientistas de todo o mundo. Apesar das primeiras vacinas terem seus testes iniciados em seres humanos em abril de 2020, a distribuição em larga escala de uma vacina viável ainda pode demorar um ano ou mais. Os ensaios de tratamento estão em andamento com agentes antivirais e imunomoduladores de diversos tipos. Além disso, o tratamento com plasma convalescente (sangue de indivíduos que se recuperaram da COVID-19) está sendo ativamente testado. Apesar desses esforços, atualmente não existem tratamentos específicos para a COVID-19.

Os sobreviventes da sepse possuem maior risco de infecção por COVID-19?

Semelhante à sepse, qualquer pessoa pode contrair COVID-19, mas algumas pessoas apresentam maior risco. Pessoas com o sistema imunológico enfraquecido estão entre as categorias com maior risco de contrair COVID-19. No geral, os sobreviventes de sepse correm o risco de contrair infecções durante os primeiros meses após a recuperação. Isso engloba qualquer infecção, incluindo COVID-19. No entanto, não há literatura científica que mostre uma conexão entre sobrevivência à sepse e o desenvolvimento de doenças pelo novo coronavírus.

Quando devo procurar ajuda?

A fim de não onerar o já sobrecarregado sistema de saúde, a recomendação geral é não ir ao hospital se houver apenas sinais leves de COVID-19, mas sim, se isolar e monitorar a progressão da doença. Geralmente, recomendamos que as pessoas com sintomas de infecção busquem ajuda médica com urgência, e perguntem "Pode ser sepse?", se também apresentarem um dos seguintes sinais: Fala arrastada, confusão mental ou rebaixamento do nível de consciência, dor intensa nos músculos ou articulações, diminuição significativa da diurese (urina), falta de ar grave, sensação de morte iminente, manchas na pele, descoloração ou palidez cutânea. Obviamente, a falta de ar também é um sintoma da COVID-19. Sugerimos, portanto, que neste momento, você procure ajuda com base em falta de ar grave apenas se perceber que você (ou outra pessoa) está com falta de ar em repouso, está respirando muito rapidamente (mais de uma respiração a cada 2 segundos), não consegue dizer mais de 2-3 palavras de cada vez ou observe uma descoloração azulada dos lábios, dedos das mãos ou dos pés.




Perguntas e respostas traduzidas e adpatadas do website da Global Sepsis Alliance - https://www.global-sepsis-alliance.org/covid19

Ajude o ILAS no combate a sepse no Brasil.
Faça uma doação e contribua para divulgar sepse em todo o país