Instituto Latino Americano de Sepse – Sepse em Foco - Nº 01- Março - 2015
 
 
Boas práticas
Como estimular a equipe no uso do protocolo
Estimular a equipe institucional no Protocolo Sepse requer diferentes meios, dependendo da fase de implantação. Na fase inicial, evidenciar os pontos não tão positivos no atendimento ao paciente séptico em reuniões de grupo multidisciplinar e pedir sugestões à equipe é um meio de fazer com que todos se interem dos problemas e ajudem a propor soluções, sentindo-se parte do processo, e participem mais empenhados no protocolo.
Uma vez implantado o protocolo, o feedback dos erros, assim como dos acertos no desempenho da equipe assistencial, é fundamental para melhorar e manter a aderência aos itens dos pacotes de 3 e 6 horas. No InCor, a cada relatório recebido do ILAS, nós premiamos com diversos brindes os profissionais da enfermagem e médicos que se destacaram no período, seja por abrir protocolos sepse, ou por administrar o antibiótico dentro da primeira hora, ou por seguir corretamente o fluxograma de atendimento proposto. Em conjunto com os brindes, emitimos um pequeno relatório destacando os avanços da Instituição e que aquele profissional premiado foi um dos que ajudou a melhorar os indicadores e salvar vidas. Esta estratégia é muito válida para os profissionais que não têm costume (ou disponibilidade) de consultar e-mails no período de trabalho.

Em resumo, o mais importante é sempre comunicar a todos os envolvidos (médicos assistentes, plantonistas, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, diretorias, CCIH, entre outros) sobre os resultados obtidos, seja em reuniões presenciais, e-mails, notificações nos brindes, etc. Além de propor soluções que ainda se façam necessárias, esclarecendo pontos de confusão no tratamento ao paciente séptico, mas, principalmente, exaltando as conquistas.

Aline Bossa, case manager do INCOR-SP (primeiro ano de implantação)
   
  Voltar