Instituto Latino Americano de Sepse – Sepse em Foco - Nº 06 - Junho - 2016
 
 
 
Novos projetos de pesquisa do ILAS

Projeto Tasy: avaliação de fatores preditivos de óbito em pacientes com infecção em hospitais brasileiros

O projeto Tasy é uma parceria do ILAS com a Philips (proprietária do sistema Tasy). Trata-se de um sistema de gerenciamento de dados clínicos e administrativos em hospitais. O objetivo desse estudo será avaliar a validade de critérios clínicos e laboratoriais para identificar pacientes com suspeita de infecção que estão em risco de óbito.

Como objetivos secundários, os envolvidos pretendem avaliar a prevalência de sepse e a mortalidade, de acordo com a definição anterior, bem como comparar a acurácia dessa definição, considerando ou não a necessidade da presença de critérios de SIRS, com a definição do sepse 3.0 na predição de óbito e internação prolongada em UTI.

A Phillips desenvolveu uma ferramenta para extração dos dados a partir de registros hospitalares feitos no prontuário eletrônico Tasy. Se você tem Tasy em seu hospital e está interessado em participar, procure o ILAS: secretaria@ilas.org.br.

Projeto SPREAD PEDNEO – estudo de prevalência de um dia em UTIs pediátricas e neonatais brasileiras.

Após o sucesso do estudo SPREAD, avaliando a prevalência e mortalidade numa amostra aleatória de 15% das unidades de terapia intensiva adulto brasileiras, o ILAS inicia um novo projeto. O objetivo é repetir o estudo SPREAD, dessa vez em unidades de terapia intensiva pediátricas e neonatais. Com isso, pretende-se ter o real retrato da sepse pediátrica no nosso país, o que pode contribuir para ações voltadas para a diminuição de óbitos. O estudo está em fase de planejamento e pretende-se convidar todas as UTIs brasileiras. Assim, se você trabalha em uma UTI pediátrica ou neonatal e deseja participar, envie seu contato para nós: secretaria@ilas.org.br.

Projeto SPREAD PS – estudo de prevalência de um dia em serviços de urgência brasileiros

Dados epidemiológicos sobre sepse no Brasil se restringem basicamente a unidades de terapia intensiva. Embora cerca de 50% dos pacientes com sepse numa instituição sejam advindos dos serviços de urgência e emergência, pouco se sabe sobre a carga que a sepse ali representa. Assim, o ILAS pretende conduzir estudo de prevalência de um dia nesses setores, numa parceria especial com a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) e a Associação Brasileira de Medicina de Urgência e Emergência (ABRAMURGEM).

A ideia é incluir o maior número possível de instituições que desejem participar, visto que um estudo com amostragem aleatória, semelhante ao estudo SPREAD de UTIs adulto, seria de difícil execução. Assim, se você trabalha ou coordena serviços de urgência/emergência e gostaria de ajudar a conhecer melhor a realidade de nosso pais, nos procure:secretaria@ilas.org.br.
 
  Voltar